Fake News faz um em cada oito internautas brasileiros ser vítima de ataque hacker

Views: 58
0 0
Read Time:1 Minute, 32 Second

Os brasileiros foram um dos principais alvos de phishing do mundo durante os primeiros meses da pandemia. De acordo com o novo relatório Spam and Phishing , publicado pela Kaspersky , cerca de um a cada oito usuários de internet do País (12,9%) acessaram, de abril a junho deste ano, ao menos um link que direcionava a páginas maliciosas. O índice está bem acima da média mundial – que foi de 8,26%, no mesmo período – e coloca o Brasil como o quinto país com maior proporção de usuários atacados (ver lista abaixo).

Segundo a empresa de softwares de segurança, os ataques no Brasil se destacaram pelo uso massivo de fake news relacionadas a programas de auxílio social, tirando proveito dos burburinhos causados pela irrupção da pandemia. Um exemplo citado pelo relatório mostra um e-mail com a falsa informação de que o governo havia suspendido os pagamentos de contas de energia. O golpe trazia um link pelo qual o usuário era convidado a fazer um cadastro caso quisesse ter acesso ao benefício.

A pandemia parece ter intensificado os envios de phishing, especialmente por meio de aplicativos de celulares. Um outro levantamento feito pela empresa de cibersegurança mostrou que, em março, abril e maio, os ataques contra aparelhos móveis mais que dobraram em comparação ao período pré-pandemia. Enquanto em fevereiro, quando se deu a confirmação do primeiro caso de covid-19 no Brasil, a média local de tentativas de ataque de phishing contra celulares era de 10 por minuto; nos três meses seguintes, o índice saltou para mais de 23 tentativas por minuto. 

Os 10 países mais afetados por phishing, são: 

 • Venezuela: 17.56%

• Portugal: 13.51%

• Tunísia: 13.12%

• França: 13.08%

• Brasil: 12.91%

• Catar: 11.94%

• Bahrein: 11.88%

• Guadalupe: 11.73%

• Bélgica: 11.56%

• Martinica: 11.34%

FONTE: CONVERGÊNCIA DIGITAL

Previous post Android vs. IOS: Qual é o sistema mais seguro para escolher em 2020?
Next post Remoção do Flash Player deve ser prioridade nas empresas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *