5 mil computadores foram infectados na América Latina por malware que minerava Monero

Views: 109
0 0
Read Time:1 Minute, 52 Second

Mais de 35 mil computadores na América Latina estavam infectados com um malware que minerava Monero, conforme reportou o Livecoins

O malware denominado como VictoryGate, é uma botnet (uma conexão de rede entre computadores), que usava o poder computacional combinado de diferentes máquinas ligadas à um servidor para minerar criptomoedas.

Segundo a equipe de pesquisa da ESET, essa botnet é composta principalmente de dispositivos na América Latina, especificamente no Peru, onde mais de 90% dos dispositivos comprometidos estão localizados. 

O malware estava ativo desde maio de 2019, e infectou mais de 35 mil computadores com sistema operacional Windows. O malware era especializado em mineração de Monero (XMR). 

Durante fevereiro e março de 2020, entre 2.000 e 3.000 sistemas infectados se conectaram aos servidores diariamente. 

Com o poder de mineração adquirido, foram minerados cerca de 80 XMR, na cotação atual cerca de US$6 mil. 

A botnet já foi derrubada pelos pesquisadores e eliminada, contudo, a equipe alertou que novos ataques podem acontecer.

O golpe é conhecido como cryptojacking, que está ficando cada vez mais comum. Esse tipo de ataque acontece quando um vírus infecta um computador e passa a roubar o poder computacional para minerar as criptomoedas. 

A criptomoeda Monero (XMR) está se tornando uma das favoritas dos ataques de cryptojacking, pois é focada em privacidade e evita que os hackers sejam descobertos. 

A Monero está sendo utilizada por ataques de cryptojacking por conta do algoritmo de mineração que é resistente às mineradoras ASIC. A mineração por CPU e GPU são efetivas, tornando o ataque mais lucrativos em diferentes tipos de máquinas. 

Os pesquisadores da ESET, informaram que para se proteger desses golpes, é preciso ter cuidado com os sites que acessa e programas instalados. 

Se possível, nunca utilizar dispositivos USB desconhecidos ou sem a certeza de que estão livre de vírus. 

Assim que os dispositivos móveis com conexão USB é inserido e reconhecido pelo sistema, um pacote malicioso é enviado e instalado no computador. 

O Cryptojacking costuma atacar o processador de computadores, deixando o sistema bem lento. Utilize programas anti-malware para tentar identificar o problema assim que notar a lentidão, ou procure uma assistência especializada. 

Fonte: Criptonizando

Previous post Os meus dados ficarão online para sempre?
Next post Há cerca de 30 programas de antivírus expostos a vulnerabilidades que podem levar a falhas no PC

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *