Hack The Planet: 10 maneiras que o hacking de Hollywood difere da vida real

Views: 210
0 0
Read Time:7 Minute, 23 Second

Os filmes operam com uma suspensão da descrença que permite que o público ignore alguns detalhes irreais, no entanto, quando se trata de hacking, é difícil não desviar o olhar. Hacking fictício é tão notoriamente ruim que se tornou uma piada.

O hacking tende a ser um dos aspectos menos precisos do cinema que leva a piadas entre profissionais de TI, especialistas em segurança cibernética e até mesmo meros hobbyists que estão em codificação. Para aqueles que conhecem hacker de Kung Fury, você sabe do que estamos falando. Aqui estão 10 maneiras que hackear filmes e programas de TV difere da vida real.

10 – Hacking Não É Um Clube De Elite

Hackers em filmes tendem a ser solitários condescendentes, mas quem pode culpá-los? Apenas esses poucos poucos entendem a linguagem secreta da codificação, e aqueles que vão até eles para pedir ajuda não estão em seu nível. Talvez isso fosse verdade quando os computadores estavam apenas se tornando comuns, mas não mais.

Hoje em dia, os hackers dependem de networking e cooperação para se manterem à frente do jogo. Além disso, qualquer pessoa pode ser um hacker com a ajuda de alguns tutoriais do YouTube e tempo livre. A subcultura hacker não é mais exatamente um estilo de vida de nicho, mas suas fileiras definitivamente se expandiram.

9 – Hackers Precisam De Hardware E Programas Específicos

Hackers em filmes são um grupo perigoso, pois eles podem basicamente usar uma calculadora e wi-fi como uma chave digital universal. O problema é que o hacking requer ferramentas e programas específicos para situações específicas. Dispositivos e software não são tão intercambiáveis quanto os filmes sugerem. Phishing poderia funcionar em um laptop, mas invadir bancos de dados precisaria de uma fazenda de servidores.

Um dos casos mais infames disso pode ser visto no filme Firewall quando Harrison Ford usa o jogador mp3 de sua filha como um disco rígido. Embora isso não seja impossível, o processo não é tão instantâneo quanto implícito. Harrison Ford precisaria de mais alguns complementos e dispositivos apenas para o jogador mp3 ler os dados bancários roubados.

8 – Hackers Não Precisam De Hardware Extravagante

Uma taquigrafia para mostrar que os hackers são sérios é mostrar sua doce tecnologia de hacking. Por exemplo, o elenco de Hackers e o protagonista de Johnny Mnemonicusam equipamentos de realidade virtual para literalmente navegar na web; Enquanto isso, The Warlock in Live Free ou Die Hard tem a fazenda de rede de um homem mais enfeitada no porão de sua mãe.

A menos que esses caras tivessem que invadir o banco de dados do governo ou o planeta, tais máquinas gigantescas e exageradas não são necessárias. Ao contrário das implicações deste tropo, os computadores só estão ficando menores. Para ser justo, essas ideias são ressações de uma época em que a internet e a cultura da computação de hoje estavam apenas entrando em jogo.

7 – Hacking É Tudo Sobre Ler Linhas De Código

Um grampo de hacking de filmes são os gráficos que acompanham que refletem o quão radical o hacker é. Computadores na tela têm muitos detalhes peculiares, como crânios rindo, personagens de desenhos animados comendo código ou bombas relógio. O hacking da vida real, no entanto, é sobre ler linhas sobre linhas de código. Os gráficos zany são realmente apenas um hobby e, na pior das hipóteses, uma distração.

As visualizações mais precisas estão em Blackhat Mr. Robot, onde os hackers exigem vários programas ativos em seus monitores. Enquanto isso, pessoas como Jurassic Park (onde os sistemas de segurança do parque são visualizados como um monte de armários de arquivamento digital que têm que ser clicados para serem “hackeados”) ou Hackers (onde os personagens nadaram pelo ciberespaço) são fantásticos na melhor das hipóteses e cômicos na pior das hipóteses.

6 – Hacking Não É Magia Instantânea

De acordo com Live Free ou Die Hard, os hackers são tão perigosos que não só podem fazer seu computador explodir enviando um vírus de computador que detona blocos de C4, mas eles podem literalmente fechar todo o país. Eles fazem isso invadindo tudo, incluindo grandes redes de notícias, bancos, webcams e semáforos.

Invadir sistemas e redes de utilidade pública não é inédito e é assustadoramente possível (por exemplo, o hack da Sony Pictures de 2014), mas o que Live Free ou Die Hard e outros filmes como Swordfish erram é tratá-lo como magia que pode ser feita em um piscar de olhos e sem risco aparente. Fazer tudo o que foi mostrado nesses filmes levaria horas/dias em vez de segundos e mais de cinco chaves pressionadas simultaneamente.

5 – Hacking Pode Ser Muito Aleatório

Os hackers de cinema sempre sabem exatamente o que estão procurando. Com apenas algumas linhas de código e algumas senhas roubadas, eles podem quebrar quaisquer defesas digitais e pegar qualquer informação ultrassecreta que precisarem.

O hacking da vida real envolve muita adivinhação e tentativa e erro, que muitas vezes são reluzenteem em filmes por causa do ritmo e entretenimento. Os hackers acertaram essa parte, onde os hackers titulares peneiram o lixo para a papelada com as senhas de admin certas para restringir sua pesquisa. Ao contrário dos hackers cinematográficos suaves e muitas vezesbadass, os hackers reais realmente apenas se atrapalham em labirintos digitais até encontrarem aquele ponto doce que os permite entrar.

4 – Hacking Não É Muito Complicado

Esquemas de hackers são sempre complexos em filmes. Live Free ou Die Hard tiveram seus hackers quase desligados toda a América apenas para cometer roubo de identidade, enquanto Skyfall teve Silva invadir os bancos de dados do MI6 com uma rede literal de códigos mutantes. Em contraste, o hacking na vida real pode ser muito mais simples.

Os hacks mais eficazes são geralmente os mais simples que não chamam a atenção, como e-mail de spam que phishes informações da conta das vítimas. Ocean’s 8 mostrou isso corretamente, onde um e-mail duvidoso foi tudo o que foi necessário para nine ball para obter acesso remoto webcam. Hacks complexos obviamente existem, mas hackear ou fazer cibersegurança com a máxima “segurança através da obscuridade” em mente é mais contraproducente do que qualquer coisa.

3 – Digitar Muito Rápido Não Faz Nada

Você sabe que uma cena de hacking é intensa quando o hacker digita a velocidade da luz enquanto a música rad techno começa a tocar na trilha sonora. Mais infamemente, ncis fez Abby lutar contra um ataque de hackers fazendo McGee ajudá-la duplamente rápido. Como os dois não conseguiram parar o ataque, os hackers devem ter tido cinco pessoas em seu teclado realmente grande.

Hackers reais poderiam (obviamente) digitar rapidamente, mas eles não precisam martelar 20 linhas de código por segundo. Hacking é um trabalho meticuloso e detalhado, onde um único erro de digitação poderia descarrilar todo o programa. Digitar velocidades ridículas não faz apenas nada, mas também aumenta os riscos de cometer erros críticos.

2 – Hackear É Muito, Muito Chato

Os filmes apresentam o hacking como o trabalho mais legal e cibernético da Terra. Não só é uma profissão exclusiva para rebeldes cibernéticos que a colocam no Homem (digital), mas é uma maneira rápida, bombeando adrenalina para ganhar dinheiro – legal e não. O que os filmes geralmente não mostram é que hacking é realmente feito de tanta espera e bumming ao redor.

Hackear é muito parecido com a pesca. Depois que a isca é implantada, o hacker não tem escolha a não ser esperar por algo para morder. Da mesma forma, descriptografar e/ou codificar dados pode levar até mesmo o hacker mais talentoso com os programas mais sofisticados por um tempo para terminar o trabalho. Adicione no processo tedioso de tentativa e erro entre outras coisas, e você tem exatamente o oposto de diversão.

1 – Hackear Nem Sempre É Um Crime

A característica de personagem mais prevalente dos hackers de cinema é que eles são os fora-da-lei da era digital. Se eles são anti-heróis rebeldes, aproveitadores neutros ou vilões cibernéticos variam caso a caso, mas o consenso comum é que o hacking é ilegal. Acredite ou não, este não é mais o caso. Hackear nem sempre é um crime.

A comunidade de hackers se expandiu tanto que eles se dividiram em alinhamentos morais. Os hackers maliciosos, como os frequentemente vistos nos filmes, são os Chapéus Negros, enquanto aqueles que saem do seu caminho para detê-los são os Chapéus Brancos, que cooperam com empresas digitais e autoridades. Chapéus Cinzentos fazem o que chapéus brancos fazem, mas sem permissão, o que os torna vigilantes ou curingas. O mundo dos hackers é, sem surpresa, mais complicado do que parece.

FONTE: SCREEN RANT

Previous post 8 dicas que o Google quer que você siga para evitar fraudes online, hacking e muito mais
Next post Grande banco brasileiro testa criptografia homomórfica em dados financeiros

Deixe um comentário