AIG apresenta estudo sobre os principais ataques cibernéticos a empresas no Congresso Security Leaders

Views: 63
0 0
Read Time:2 Minute, 1 Second

Evento reune líderes da área de segurança da informação para debater o cenário desafiador que vem pela frente para o setor

Após uma análise de mais de mil sinistros na Europa, Oriente Médio e África, a seguradora AIG, líder mundial em seguros contra riscos cibernéticos, elaborou um estudo com dados de tendências de mercado, tipos de ataques mais comuns, volumetria e números de casos em 2018 frente aos anos anteriores. É este material que Flavio Sá, Gerente de Linhas Financeiras da companhia, apresenta no Congresso Security Leaders, que será realizado hoje e amanhã, no Transamérica Expo Center.

Em sua apresentação, Flavio mostra que as falhas de segurança nos e-mails corporativos (Business Email Compromise) ultrapassaram o ransomware e a violação de dados por hackers como a principal porta de entrada de ameaças virtuais, conforme os índices a seguir. O comprometimento do email comercial chegou a 23% dos casos ou quase 1/4 dos incidentes relatados em 2018, seguido de ransomware (18%), violação de dados por hackers (14%) e violação de dados devido a negligência do funcionário (14%)

O evento, que tem foco em segurança da informação, vai reunir diversos líderes do setor e terá a participação da AIG no painel “Trilha, Cases & Lições Aprendidas – Cases de Cyber”, na tarde desta terça-feira, 29, às 12h30.

Para Sá, o evento é mais uma oportunidade de chamar a atenção para um problema que tende a crescer com grande intensidade em todo o mundo nos próximos anos. “Muitos executivos ainda desconhecem a relevância de estar protegido de possíveis ataques cibernéticos e a dimensão dos danos que eles podem causar, principalmente perante a frequência e complexidade dos ataques e, do outro lado, uma legislação cada vez mais rigorosa quanto à proteção dos dados”, explica, ao fazer referência às recentes GDPR na União Europeia, e a Lei Geral de Proteção de Dados, que entrará em vigor no Brasil em 2020. Esta última, por exemplo, poderá aplicar multas de até R$ 50 milhões a empresas que tiverem dados de seus clientes vazados, seja por negligência, ou porque foram vítimas de um ataque virtual.

O Congresso Security Leaders já está em sua décima edição. Serão dois dias de debate sobre um futuro desafiador para o setor com a LGPD, criação da autoridade nacional de proteção de dados, vazamento de informações sensíveis, respostas a incidentes, chegada do 5G e novas vulnerabilidades.

Para mais informações: www.securityleaders.com.br

FONTE: SEGS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *